E quem disse que os brasileiros não tem sangue mágico?

Em uma entrevista um fã perguntou à J. K. Rowling o que ela achava sobre outras escolas de magia, em outros países. E ela, muito simpática, respondeu ao rapaz que achava ótimo e que também seria muito bom se outra pessoa escrevesse tal história. Tomando este conselho para si Renata Ventura, fã assídua da saga Harry Potter, decidiu situar uma escola de magia e bruxaria aqui, no Brasil. Para ser mais exato, Renata criou cinco escolas, sendo que neste livro apenas aparecerá a do Rio de Janeiro.

Renata é fluminense, nascida em 1985, e trabalhou durante três anos fazendo pesquisas e roteiros para cinema documentário, antes de se dedicar exclusivamente ao seu primeiro livro. Uma coisa que eu achei inovadora e muito legal, foi o meio de interação que ela criou entre seu público e ela mesma: Através das redes sociais, a autora criou perfis para seus personagens, perfis estes que servem tanto para conversar um pouco com seu personagem preferido, sentir-se parte ativa de seu universo, como para tentar extrair alguma informação privilegiada dos livros seguintes. (Coisa que eu já fiz. haha’).

“A Arma Escarlate” nos leva a conhecer Hugo, um garoto pobre que vive na favela Santa Marta, e que está em meio à iminente ameaça dos traficantes e bandidos. No ápice de uma situação insustentável, nosso protagonista descobre que é bruxo e com toda a sorte a seu favor o garoto entra na escola de magia e bruxaria Nossa Srª do Korkovado. Claro que não teremos apenas Hugo como “protagonista” teremos também Gislane, uma bruxinha pra lá de inteligente que segue todas as regras (Vixe, isso ficou parecendo descrição de personagem de filme da Sessão da Tarde). Na escola do Rio de Janeiro, temos uma batalha de grupos: Pixeis e os Anjos. Ou seja, nada de “quatro casas”.

O livro é realmente muito bem escrito. A narrativa discorre de modo completamente fluido e você mal consegue perceber o avanço das páginas, e quando percebe, se surpreende com a quantidade de páginas passadas.  O enredo e os personagens também são muito bem estruturados e construídos; é como se a qualquer momento os personagens pudessem sair das páginas do livro e começar a interagir com você. Talvez eu tenha sentido isso porque a história se passa no Brasil e parece que tudo está “a um palmo de você”. 

Porém, não foi apenas isso que me chamou atenção em “A Arma Escarlate”, o livro transcende as fronteiras da fantasia, e faz um link perfeito com a realidade. A escola do Rio de Janeiro é um completo inferno, existe o descaso, a falta de professores, a bagunça por parte de alguns alunos, desinteresse por parte de outros e tudo isso reflete exatamente a realidade brasileira. A realidade das escolas públicas, que estão afundando a cada dia mais. Renata foi muito feliz em suas críticas sociais e não apenas nisso. Eu, que já tinha um contato com a autora antes do livro, pude perceber seus traços inconfundíveis, como por exemplo, a tentativa de divulgação do Esperanto, uma espécie de língua franca internacional, que pode simplificar em muito a compreensão entre estrangeiros.

Confesso que no início do livro fiquei um pouco irritado com relação às diferenças para com “Harry Potter”, sobre não ter quatro casas e ter cinco escolas de magia. Mas eu imagino, imagino não, tenho certeza que este é o diferencial de “A Arma Escarlate”, Renata conseguiu criar um novo universo por cima de outro. Ela conseguiu, com maestria, “adaptar” a história da Tia Jo para o Brasil. Tanto no que diz respeito a contexto, como a conteúdo mesmo. Por exemplo, os feitiços. Esqueçam os feitiços em suas versões latinas. Eles não funcionam aqui; no Brasil temos feitiços em tupi (êta patriotismo) e os únicos feitiços que funcionam em todos os lugares do mundo são os que são feitos em esperanto (por que será, hein!?).

Enfim… Eu realmente recomendo muito a leitura de “A Arma Escarlate”, e olha que eu sou meio preconceituoso com relação à literatura nacional, mas esse livro é realmente do caralho (me desculpem a expressão, quem se ofendeu) e eu quero muito que Renata seja reconhecida. Seu trabalho não merece ficar “na gaveta”, o mundo todo precisa saber dele!

Sinopse:

“O ano é 1997. Em meio a um intenso tiroteio, durante uma das épocas mais sangrentas da favela Santa Marta, no Rio de Janeiro, um menino de 13 anos descobre que é bruxo. Jurado de morte pelos chefes do tráfico, Hugo foge com apenas um objetivo em mente: aprender magia o suficiente para voltar e enfrentar o bandido que está ameaçando sua família. Neste processo de aprendizado, no entanto, ele pode acabar por descobrir o quanto de bandido há dentro dele mesmo.”

Compra:

Livraria Saraiva: Clique aqui; PDF: aqui.

Livraria Cultura: Clique aqui; PDF: aqui.

Recomendo muito mesmo! Vale a pena cada centavo! Uma ótima leitura para vocês!

  1. “Vixe, isso ficou parecendo descrição de personagem de filme da Sessão da Tarde” RIALTO’
    Gostei e resolvi comprar u_u tem cara de ser bom (y)

    • Anaíle Andrade
    • 3 setembro, 2012

    Gostei. Deu vontade de ler o livro até. Pode ser diferente de Harry pela sua critica, mas, parece ser original. Vou ler =)

    • Pedro Costa
    • 3 setembro, 2012

    Me interessei pelo livro.Alem do enredo ser mais familiar para os brasileiros,se trata tambem de uma critica social.

  2. Simplesmente fiquei louco pra ler. Nossa, tô ansioso pra ler! HAHA
    Parece muito bom.

  3. Deixou uma água na boca , parece ser muito bom.

  4. Gostei muito da sua resenha acho que você passou de forma não tão critica o que senti em alguns momentos do livro.

    • Amanda Cândido
    • 3 setembro, 2012

    adoro a Renata *-* quero ler esse livro logo adorei o texto! saudadesssssssss

  5. Muito bom o texto e interessante saber sobre tal livro.

  6. Eu já tinha visto esse livro no site da 1001 Mundos, a editora que publicou o livro em Portugal, mas lá só aparecia a capa, e nãlo falava do que tratava o livro, de modo que pensei que fosse qualquer coisa á lá “Dragões de Éter”, pelo que nem me interessei. Agora que vejo este artigo, tenciono ler logo que possível!

    PS – Adorei o modo como falas dele.

    • Atos Gibson
    • 23 janeiro, 2013

    Não Gostei do nome da escola affs u.u

    • Brena Cedraz
    • 24 janeiro, 2013

    Deve ser uma merda ‘-‘
    Quando se fala em Brasil todos vão pensar as mesmas coisas: drogas e marginalização. E parece muito com Harry, só que em uma versão “páia”.

    • Não se deve julgar um livro pela capa, ou o todo por uma parte.

  7. vou ler pois gosto muito de livros ou sagas e séries feitas de livros e om muita aventura!

    • Jean
    • 19 outubro, 2013

    eu não gostei porque está desviando demais da ideia de J.K. ela queria só uma escola de magia aqui no Brasil (acho que a idéia dela era colocar poucas escolas no mundo)e ai tem cinco só no brasil -p

    • Eu, particularmente, gostei da ideia – até porque é bastante plausível -. Afinal, o Brasil é praticamente um continente. Cada região é completamente diferente da outra. Então é bastante aceitável cinco escolas.

  1. 21 outubro, 2012

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: