Hermes, o Mensageiro.

Hermes é o deus dos ladrões, dos mensageiros, viajantes e habilidades da linguagem, entre algumas outras coisas. Também é um exímio inventor, tendo sido responsável pela criação do fogo, da internet sdds Percy Jackson, a lira, a syrinx (uma espécie de flauta), o alfabeto, os números, a astronomia… Uma espécie de deus da medicina, auxiliava em partos e outras questões medicinais de pequeno porte; portador de almas ao Mundo Inferior, servidor da taça de Zeus, sendo assim associado aos banquetes. Senhor dos rebanhos da terra e dos jogos de dados. Seu símbolo é o caduceu, entrelaçado por duas serpentes.

Filho de Zeus e Maia, uma das plêiades, mais especificamente, a mais velha e tida como mais bela. Uma deusa da fecundidade e da energia vital, símbolo da primavera. 

As façanhas de Hermes iniciam-se logo que ele nasce, literalmente. O deus e sua mãe temiam a ira de Hera, visto que os dois eram uma nítida prova de mais uma traição de Zeus. Então, Maia decidiu ter e esconder o filho em uma caverna, longe da vista da Senhora do Olimpo. Quando nasceu, o deus mensageiro não demorou muito em sua caverna e saiu, deparando-se com uma tartaruga. Logo que a viu “iniciou” sua vida divina, proclamando que o animal seria sempre sinal de boa sorte e proteção contra o mau-olhado, e quando este encontrasse a morte, aprenderia dos dons de canto. Depois, pegou o bicho e levou à caverna a fim de matá-lo e retirar seu casco, que em parceria com as vísceras de ovelhas comporiam a primeira lira. 

Após isso o deus sentiu fome, dirigiu-se então às montanhas de Piera, onde encontrava-se o gado do Sol, de seu meio-irmão Apolo. Astuto, Hermes roubou cinquenta vacas e conduziu-as por lugares de difícil acesso, tortuosos, usando de diversas artimanhas para conseguir despistar quem quer que o estivesse seguindo, ou o fizesse posteriormente. Andou de marcha ré, deu várias voltas e também confeccionou para si um par de sandálias aladas, tudo para dificultar ainda mais a descoberta da façanha. Porém, um vinhateiro local o viu, mas este foi instruído a não comentar com que ninguém sobre o fato.  Perto de sua caverna, a divindade parou e produziu a primeira fogueira (aí inventando o fogo) e assou duas vacas para comer. Depois de satisfeito, Hermes apagou a fogueira, jogou as sandálias no fundo do rio em que estava às margens e escondeu o resto do rebanho em Pylos, voltando pra caverna como que em fumaça, através de uma brecha, e deitando-se no berço como se nada houvesse acontecido. Todavia, sua mãe havia observado todas as ações e o repreendeu pelo que ele havia feito.

Mais tarde, Apolo indo visitar seu rebanho, deu por falta das cinquenta vacas que haviam sido levadas e pôs-se a percorrer o rastro que havia sido deixado. Quão grande não foi o seu espanto ao deparar-se com tamanha confusão, mas como estava refazendo o caminho do irmão, encontrou o mesmo vinhateiro de antes, sendo que este lhe deu apenas pistas vagas, porém completamente compreensivas diante de Apolo, que partiu imediatamente à caverna do irmão. Chegando lá, encontrou o “bebê” dormindo como se nada houvesse acontecido. Acordou-o e o interrogou acerca do ocorrido. Hermes negou tudo sobre o qual havia sido acusado. (Apolo estava ao mesmo tempo irritado, mas divertido com o que havia acontecido.). E já que houvera uma negativa, sendo que o deus-Sol sabia o que havia sido passado, os dois foram ao Tribunal de Zeus discutir os atos discorridos. Interrogado novamente pelo Senhor dos Céus, Hermes negou tudo o que havia acontecido. Então Zeus, em meio a um sorriso, ordenou que o filho trouxesse o gado restante para o irmão. 

Apolo, diante disto, temeu que o irmão viesse a se tornar uma ameaça, e resolveu prendê-lo com ramos de salgueiro. Outra vez o deus viu-se surpreendido, porque Hermes não só conseguiu libertar-se do que o prendia, como as tiras cresceram tão rapidamente e espessas que cobriram todo o rebanho. Então o deus sacou a lira e começou a tocar louvores aos deuses, pondo Mnemosine, titânide da memória, acima de todos. O deus da música ficou tão encantado com tamanha perícia em música e com o novo instrumento, coisas que nem ele havia sido capaz de criar, que ofereceu uma oferta de paz: A lira, pelo rebanho. Oferta que foi aceita de bom grado. Desse dia em diante, Hermes ficou responsável pelo rebanho divino, assim como por todos os outros da Terra (presente de Zeus). Tendo sido selada a paz entre os irmãos, Apolo agraciou o menor com muitos dons, tendo sido outros acrescentados e confirmados por Zeus.

O papel de Hermes transcende ao de um simples mensageiro. Como já dito antes, era ele quem conduzia as almas mortais ao Hades e era responsável por encaminhar os sonhos que Zeus destinava aos mortais. E não só os sonhos, todas as ordens partidas do Senhor do Olimpo, em geral.
O deus teve também muitos filhos e paixões, tanto por mulheres, deuses e homens. Dentre seus filhos divinos podemos destacar Hermafrodito – de sua união com Afrodite – o deus/deusa, meio homem, meio mulher. E como um dos seus amores masculinos temos Anfião, que foi agraciado com dons musicais.

  1. Ah, eu também tenho saudades de PJ… Enfim, este Hermes é mesmo boss!

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: