Desculpas pelo atraso, pensamentos sobre o aborto e uma primavera a mais

Olá, boa terça (ou qualquer dia da semana que você ler isso), e, antes de mais nada, peço desculpas pelo atraso. Esses dias eu tive que cuidar de uns trabalhos (que ainda não terminei), fiz aniversário no sábado e fiquei completamente sem ideias. Tais coisas acontecem, espero evitar que ocorra novamente, mas hoje venho sanar esse atraso e, finalmente, falar de um assunto que me vem batendo na cabeça há meses, mas que pensei com mais seriedade nesses dias. Se você for uma pessoa inteligente e ter lido o título já deve adivinhar o que é- afinal, as desculpas e a notícia da primavera a mais já foi entregue.

Apenas devo fazer uma objeção quanto ao que coloquei no título, o pensamento não é quanto ao aborto, mas sim quanto a legalização. Há diferenças, e estas são muito claras- ser a favor da descriminalização é procurar apoiar a liberdade duma pessoa como seu corpo e a vontade de gerar ou não um feto (que pode, ou não, se transformar num humano). É um assunto delicado e que, infelizmente, acaba caindo em barreiras pessoais, porém, quando se fala em legislação, tais barreiras devem ser quebradas- falando de maneira bem direta, eu, como indivíduo, não permitiria que uma mulher abortasse um feto concebido comigo; metade do material genético dele pertence a mim, não queria que ela evitasse a gestação, mesmo que a total obrigação de cuidar dele após o nascimento fosse minha; porém isso é um pensamento pessoal, o fato de eu não aceitar que alguém aborte um feto gerado a partir de um espermatozoide meu não me habilita a proibir que o próximo o faça. É uma mera questão de (sim, vou ter que apelar para a palavra) democracia; o próximo tem o direito de fazer o que quiser com o seu corpo, desde que não afete a mim- pelo mesmo motivo o consumo de drogas ilícitas não é considerado crime, porém a venda das mesmas é considerado crime.

E, não, antes que alguém me venha falar, não é aborto com “condições”, como em caso de estupro. Por pior que o crime seja, sustenta uma proibição ao aborto em casos normais enquanto legalizar esse é ser hipócrita. Se defende a vida do feto concebido em relação consensual por “apoiar a vida do feto”, porém, aquele feto concebido por um estupro teria menos valor do quê o outro? Estaria um feto, segundo este pensamento, pagando pelo crime do pai? Ambos seriam iguais, independe da concepção e, não só, ambos poderia ter o seu desenvolvimento interrompido, enquanto não tem consciência da própria existência.

Claro que haverá objeções, geralmente pela bancada “pró-vida” (não condeno, nunca é bom ser “contra-vida”), mas é necessário esclarecimento. Alguns apontam que o aborto é uma forma de “assassinato”, bem, pela legislação brasileira uma pessoa morre quando quando o seu cérebro morre; a morte cerebral, não há como voltar, depois que um cérebro morre a pessoa deixa de existir, ainda que o resto de seus órgãos viva (entenda, é diferente de coma). Até os três meses de gestação o feto não têm o sistema nervoso completo e funcional- de maneira básica, matá-lo seria como destruir o PC ou o mobile que você está usando para ler isso, o feto não têm consciência de sua existência, é apenas um conjunto amorfo de células. Claro, a legislação brasileira também pronuncia algo sobre “capacidade de formar cérebro”, porém isso é muito vago, numa comparação absurda, se aborto é assassinato, menstruação seria homicídio premeditado e masturbação um genocídio. É uma comparação absurda, deixei claro, porém, um feto não desenvolvido tem tanta consciência do mundo que o envolve e de se mesmo quanto um espermatozoide ou um óvulo.

Estou aberto a considerações e opiniões adversas (apenas traga argumentos críveis) de quem queira. Apenas que se faça daqui um lugar de debate saudável.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: