Ao país que não sabe ler

Mais uma semana vai se acabando e, junto com ela, mais uma postagem minha. Numa semana onde teve a morte do Niemeyer (homem que já pensavam em usar como prova da existência dos highlanders), vários assuntos interessantes brotam. Fui instintivamente moldado a abortar o comunismo, as obras do que muitos chamam de “o maior arquiteto brasileiro” (e quem sou eu para discordar?), assim como a interferência no estado a partir de um simples civil que não tinha poderes políticos oficiais ou cargo em grandes corporações. Mas, sendo sincero, nunca li “O Capital” completo, não conheço muito mais que cinco obras projetadas por ele e nem posso comentar muito sobre suas interferências na vida social além das piadas por sua idade de três dígitos. Mas essa não foi a única novidade que me despertou interesse, a chegada da Amazon no Brasil também.

A empresa, fundada em 1994, demorou 18 anos para chegar ao Brasil (vejam, estavam esperando ela ficar de maior), e, mesmo que o Kindle ainda não tenha sido lançado, os preços atrativos já são o bastante. Tirando toda aquela história sobre atos que ferem a ética de negócios cometida pela Saraiva, há de se questionar a demora para uma empresa tão grande chegar num país com 200 milhões de habitantes. Protecionismo, políticas estranhas, desinteresse com a língua portuguesa – teorias são várias, e, como não trabalho com o negócio de livrarias, nenhuma pode ser comprovada, mas há uma verdade a ser reconhecida e distancia qualquer rede de livraria daqui: brasileiro não gosta de ler (ou, mesmo, não sabe ler “funcionalmente”). Aqui até distancio da qualidade da leitura (não irei usar o jargão de que toda a leitura é construtiva), mesmo que seja Stephenie Meyer, o ato de decifrar letras incomoda grande parte da nação – mesmo que haja 200 milhões de habitantes, grande parte não leem fluentemente o bastante para sentir prazer com a leitura, ela passa a ser irritante.

Podendo soar um tanto soberbo, mas com um certo tom de sinceridade, a Amazon demorou tanto para vir porque somos burros. Não se vende livro para quem não sabe ler; não duvido que essa tenha sido uma das principais questões abordadas nas reuniões. Ainda que agora se tenha um público bastante aberto a aventuras juvenis e, num outro lado, histórias de auto-superação e auto-ajuda, o hábito da leitura, mesmo como fonte de informação, é algo excluso na cultura brasileira. É um país acostumado a tudo embalado e mastigado para ser exibido em forma de meio áudio-visual de qualidade televisava, não é de se admirar que uma empresa especializada em linguagem escrita tenda a demorar para chegar aqui.

Anúncios

Percy Jackson e o Mar de Monstros em 3D!

PJ3

Então, né galera!? Eu acho que uma “imagem” vale mais que mil palavras. O Larry Richman acabou de postar em seu twitter twitter, agora, mais essa novidade. Estou apenas super animado (espero não ser decepcionado), porque parece que desta vez, tudo irá correr super bem. Só aguardando e juntando dinheiro desde já. Afinal, o filme agora é 3D!

Panic(!) at the Disco (1) – A Fever You Can’t Sweat Out

Agora é o momento que as coisas ficam mais difíceis, o momento de escrever sobre as bandas preferidas (é difícil por causa do ciúme). Nessas próximas semanas pretendo escrever sobre minhas bandas favoritas, e pra começar vou com a que sou fã a mais tempo : Panic at the disco.

panic-at-the-disco(Panic! at the disco na sua primeira formação [sdds eminhos])

OBS: Farei os posts dividido por épocas da banda, ou seja, dividirei em três posts, um por álbum lançado.

Formada em 2004, a banda tem a história parecida com a de muitas outras, amigos que tocavam resolvem formar uma banda e colocam as músicas no myspace, mas nem todas as bandas tem a sorte que eles tiveram. Pete Wentz baixista da (infelizmente falecida) banda Fall Out Boy se interessou pelo som e  colocou eles no mundo da música já com um grande reconhecimento (o que contatos não fazem né gente). Bom, e como vocês verão barracos sempre será uma coisa presente na banda, logo em 2006 Brent Wilson (o da esquerda na foto acima [já era apagadinho né?]) saiu da banda por brigas e a banda convidou Jon Walker pra entrar na vaga de baixista da banda, e no meio disso tudo foi lançado o primeiro álbum da banda : A Fever You Can’t Sweat Out.

Se você era vivo em 2006 e tinha MTV em casa COM CERTEZA você conhece o famosíssimo I Write Sins Not Tragedies, vulgo “clipe do casamento” (me matem pfvr) que foi o maior sucesso da banda, ganhou inúmeros prêmios por mil categorias diferentes e até hoje é conhecido! Mas vamos ao que interessa, as características da banda nesse primeiro disco.

Apesar da febre do estilo de roupas e cabelos eu não considerava a banda emo na época, porque as letras são loucas e não me emocionavam nem um pouco, defino a banda como um pop rock no AFYCSO. O álbum é bem diversificado, tem introdução e intervalo(tem até um pedacinho do “intervalo” no começo do clipe abaixo) e as músicas são EXTREMAMENTE viciantes, todas, todas mesmo! E tem uma pegada meio rock, meio eletrônica, meio subliminar, meio aterrorizante que conquista de um jeito único. Vale a pena ouvir o álbum inteiro pelo menos uma vez na vida, vai fazer ela mais feliz com certeza.

Apesar de ser espetácular o primeiro álbum é o que eu menos gosto da banda (“MENOS GOSTO” NÃO SIGNIFICA QUE EU NÃO GOSTO) mas é o preferido de muitos fãs. E foi um sucesso muito grande, e garantiu que a banda fizesse fama o suficiente para arriscar numa mudança COMPLETA depois de dois anos, e é o que veremos no próximo post! Abraço galerinha, e até semana que vem!

À insegurança da segurança pública

E voltemos à nova coluna semanal. Depois de uma semana e muito assunto matutando na minha cabeça (acredite, são muitos, mesmo – vão da não legalização do aborto até como os militares mataram o cinema brasileiro), eis que vim discursar sobre aquele ao qual prometi falar na semana passada: a insegurança pública atual. Para tal, poderia começar com uma pequena pergunta: quem aqui se sente seguro em andar pelas ruas?

Eu, como sobrevivente de sete tentativas de assalto (nunca conseguiram levar nada), estou habilitado a dizer que não. É o medo constante de ser assaltado ou, mesmo, assassinado. Mas esquecerei o “eu” nessa coluna, é uma coluna de crítica a sociedade (ou, ao menos, assim se diz), não é algo de cunho pessoal; a questão vai além do fato de tentarem me assaltar ou se tenho medo que alguém me mate, a insegurança social vai muito além de um único indivíduo. Na verdade, a questão da insegurança vai além da própria segurança, a sociedade de hoje colhe frutos plantados há muito tempo em várias áreas da atuação do estado; a maioria erros cometidos pelo governo ditatorial das décadas de 1960 e 1970 –  esses, principalmente no Rio de Janeiro e São Paulo, sedes de organizações que facilmente podem emular as máfias ítalo-americanas. Tudo numa época onde a união da queda da qualidade do ensino público e a falta de distinção de presos políticos e pequenos criminosos levaram aos traficantes terem conhecimento de práticas de guerra e contatos com grandes cartéis de cocaína e armas.

Mas não foi apenas a ditadura; a falta de segurança pública e domínio das grandes organizações criminosas também nascem de políticas completamente erradas por parte do estado. O Brasil é um país onde ser traficante é mais lucrativo do que ter um trabalho legal; impostos, burocracia, educação deficiente, tudo empurra a caminho da melhor saída. É um problema cuja solução vai além de apenas matar os criminosos ou prendê-los; de nada adianta fazê-lo se sempre nasce mais. É algo que seria solucionado em um tempo próximo a duas décadas – muito mais tempo do que o mandado de políticos, isso foge das exigências imediatistas que a população brasileira foi acostumada com a adoção das cotas em universidades públicas e bolsa família.

Talvez a minha constatação final enquanto pensava sobre o assunto foi pessimista de mais (ou realista). É uma constatação onde o herói dos nossos tempos, o grandioso Capitão Nascimento nada mais é que uma sátira dessa solução imediatista e falha (assim como o Robocop – que terá um remake também dirigido pelo Padilha). Gostaria de levantar uma bandeira dando-nos a solução para parar de temer sair de casa a noite, mas não tenho nada que seja funcional e creio que ninguém o tenha. Vivemos num eterno ciclo onde, a cada volta, a situação apenas piora, não creiamos que, no ritmo que está, os nossos filhos viverão num país mais seguro.

“Oh Bella.” “Oh Edward.”

Eu, como Potterhead que sou, sempre ouvi a comparação que faziam entre Harry Potter e Twilight e sempre achei a segunda saga um cu, principalmente com os filmes. Nunca havia lido os livros. Mas uma amiga me disse: Rapaz, não se fie pelos filmes, leia os livros. São bons. Resolvi seguir seu conselho e li “Crepúsculo”, livro que resenharei agora. Apesar de ter que confessar: Demorei mais de um mês lendo isso. Porque viu…

O romance, ou melhor, toda a série é escrita por Stephenie Meyer. Após escrever Crepúsculo (Twilight), a autora ganhou 3 prêmios: um do NY Times e dois da Associação das Bibliotecas Americanas. Crepúsculo é o seu primeiro romance. Depois da sua publicação, Stephenie foi escolhida como um dos “novos autores mais promissores de 2005” pela Publishers Weekly. O sucesso desta obra lhe rendeu contratos de adaptação para o cinema, produtos e o planejamento de novas obras com a Little, Brown and Company.

O livro conta a história de Isabella Swan, uma jovem de 17 anos que muda-se para uma cidadezinha nublada, no fim do mundo, chamada Forks, onde teria que viver com seu pai, o qual mal conviveu a vida inteira. Chegando à cidade, a jovem desajeitada, desengonçada e estabanada  vê-se fixada e “hipnotizada” por um dos seus colegas de classe. Edward Cullen. Que por acaso é um vampiro. E além dele, ainda há outros de seus “amigos” que é apaixonado por ela, Jacob Black.  Mas é claro que ela não sabe de nenhuma dessas coisas. E calma, não é nenhum spoiler.

No geral, apesar das várias críticas, eu não acho que Crepúsculo seja um mau livro. Creio que seja a “história” certa nas mãos erradas. Porque, convenhamos, J.K. foi um gênio quando inovou a ideia que nós tínhamos bruxos. Quem sabe um outro autor, que não fosse Meyer, pudesse ter feito isso com Crepúsculo. E se não houvesse tanto romance, mas mais ação, quem sabe a coisa pudesse ter engrenado de uma outra maneira.

A ideia que eu tenho da obra é que a autora pôs todas as suas fantasias de quando adolescente no livro. Todas as suas esperanças, seus sonhos e suas maiores fantasias. E se o fez, conseguiu fazê-lo de uma maneira muito, muito estapafúrdia. Particularmente, levei mais de um mês lendo o livro. Porque eu ia lendo, tava legal, mas de repente havia coisas tão monótonas. Por exemplo, os dilemas de Bella. Que por sinal, são muito chatos. São coisas do tipo: Ah, será que eu deveria ficar com ele? Mas e se isso não for bom? Será que ele vai me matar? Será que ele é mesmo um vampiro?

Porém, uma parte realmente cômica, é quando ela descobre que Edward realmente é um vampiro. A garota acha tudo perfeitamente normal. É como se você estivesse frente à uma fera, e a fera dissesse que iria te matar. Só que ao invés de fugir, você fica, e ainda por cima se apaixona por essa fera. O que de certo modo, é bem isso que acontece.

A coisa adquire um tom tão idiota, tão molenga, que a história não consegue fluir direito. Tipo, você acha que a ação tá vindo. Mas não tá. E quando realmente vem, não é daquele jeito que você esperava. É tudo desenvolvido de uma maneira muito fraca.

Um dos únicos pontos bons de todo o livro/saga é que instiga algumas pessoas à leitura. O que é realmente muito, muito, muito bom. Todavia, na minha opinião, bom apenas nisso. Pois, para uma pessoa que já está acostumada a ler, esse livro é uma das maiores merdas já escritas. Pra vocês terem uma noção, o romance me deixou em tal estado de inércia, que eu mal me dignei a ler os livros restantes. 

Crepúsculo poderia ser como qualquer outra história não fosse um elemento irresistível: o objeto da paixão da protagonista é um vampiro. Assim, soma-se à paixão um perigo sobrenatural temperado com muito suspense, e o resultado é uma leitura de tirar o fôlego – um romance repleto das angústias e incertezas da juventude – o arrebatamento, a atração, a ansiedade que antecede cada palavra, cada gesto, e todos os medos. Isabella Swan chega à nublada e chuvosa cidadezinha de Forks – último lugar onde gostaria de viver. Tenta se adaptar à vida provinciana na qual aparentemente todos se conhecem, lidar com sua constrangedora falta de coordenação motora e se habituar a morar com um pai com quem nunca conviveu. Em seu destino está Edward Cullen.

Crepúsculo

Ele é lindo, perfeito, misterioso e, à primeira vista, hostil à presença de Bella o que provoca nela uma inquietação desconcertante. Ela se apaixona. Ele, no melhor estilo “amor proibido”, alerta: Sou um risco para você. Ela é uma garota incomum. Ele é um vampiro. Ela precisa aprender a controlar seu corpo quando ele a toca. Ele, a controlar sua sede pelo sangue dela. Em meio a descobertas e sobressaltos, Edward é, sim, perigoso: um perigo que qualquer mulher escolheria correr.

Nesse universo fantasioso, os personagens construídos por Stephenie Meyer – humanos ou não – se mostram de tal forma familiares em seus dilemas e seu comportamento que o sobrenatural parece real. Meyer torna perfeitamente plausível – e irresistível – a paixão de uma garota de 17 anos por um vampiro encantador.

Apenas um oi e algo mais

Olá, prazer em falar com vocês que estão me lendo agora, meu nome é Luís Eduardo e sou o novo colunista do Reino das Fábulas. Venho aqui assumir um pequeno cargo que será dividido, um cargo agradável e, ao mesmo tempo, ingrato – o de um “crítico social” (parece mais importante quando você fala, mas não creio que ajude tanto na sociedade que critica). Agradável, sim, afinal, quem não gosta de escrever o que lhe vem a cabeça? Apenas escrever, sem estar preocupado com normas mais rígidas de formatação de texto, como numa redação. Mas, ao mesmo tempo, caro leitor, ingrato, afinal, a minha função é criticar, apontar falhas, reclamar daquilo que desagrada; e, por mais que seja bom deixar registrados minhas reclamações, a menos que eu exerça a função dum cavalo com cabresto, nunca irei agradar a todos (e, mesmo se eu exercesse a função dum cavalo com cabresto, eu não iria agradar a todos).

Apresentações feitas, então vamos ao “algo mais” do título. Entro com uma certa obrigação de apontar alguma falha de nossa sociedade nesse parágrafo – o que, tecnicamente, não é difícil, se a vida em países do dito “primeiro mundo” tem vários pontos que poderiam ser apontados como falhas homéricas, imagine nós, pobres sub-primos nesse modelo socioeconômico sem uma razão palpável de existir além dele mesmo? Nos Estados Unidos se fala da poluição em grandes centros urbanos, aqui, em terras de Cabral (e Cachoeira), temos que contornar buracos literais antes de chegar no ponto da liberação exagerada de CO2. É como no filme de Jorge Furtado, “Saneamento Básico”, onde o município reserva verba para o desenvolvimento de cinema de ficção, mas não tem verba para fazer o saneamento básico do título.

A vocês que leram, não considerem isso um artigo sério da minha coluna semanal que começa por aqui. É, não só uma comum conclusão de que temos mais problemas do que gostaríamos de admitir (agora imaginem quem vive em zonas de guerra), como também um constatação de que terei muito sobre o que falar por aqui. Próxima semana eu voltarei, trazendo um novo artigo e sem as firulas de uma apresentação, falando sobre o caos urbano que eclodiu em São Paulo e a insegurança pública.

“Mockingjay” me deixou na Esperança.

Eu devo admitir que “A Esperança” foi o livro da trilogia que eu mais fiquei ansioso para ler. Não porque ele era o último, nem nada, mas foi porque eu realmente me apaixonei por Jogos Vorazes depois que li “Em Chamas”. E fiquei à espera de um grande final, que fosse arrebatador, que me deixasse boquiaberto e eu consegui isso. Não do modo que esperava, mas consegui.

Logo no início do livro a minha curiosidade foi satisfeita com relação ao Distrito 13. Você é apresentado a ele e descobre como ele conseguiu se virar por setenta e cinco anos. Do mesmo modo que você é apresentado à Presidenta Coin. Devo confessar que a primeira impressão que tive da mulher é que ela  era igual a Snow, com a única e exclusiva diferença que Snow está do lado da Capital e Coin do lado dos rebeldes. O que mais tarde se confirmou uma verdade, quem leu o livro entende.

Mas um fato que eu realmente adorei nesse livro, e talvez nos outros, mas com mais evidência nesse, foram os sentimentos de Katniss. Você conseguia senti-los, era como se você estivesse nos Distrito 13, com todas as indecisões e temores dela. E mais do que isso, as lições que são transmitidas nas linhas e nas entrelinhas do livro. Mensagens acerca de paz, da guerra e uma intensa reflexão em torno disso tudo. Pelo menos eu senti isso.

Porém, uma coisa que me deixou muito indignado foi o rumo que algumas coisas tomaram. Katniss, por exemplo, foi praticamente uma louca o livro inteiro. E isso meio que me deixou bolado. (“Bolado” foi ótimo, eu ri de mim.). Os segredos revelados no livro com relação a Snow também foram muito legais e tal. 

Todavia, eu ainda acho que o livro foi mal terminado. Acho sim, porque ficaram muitas lacunas abertas com relação a alguns personagens “secundários”. Você não sabe o que aconteceu com eles, e se por algum acaso a autora diz fica de uma maneira muito vaga. Você fica sem saber o que aconteceu com a Capital e só fica com uma simples visão do que aconteceu a Katniss, que por sinal, eu não gostei. Fora o título do livro, A Esperança, que eu achei um completo absurdo. Porque, por favor, né, isso não tem nada a ver com o livro. Já que mockingjay foi traduzido como Tordo, que fosse Tordo então o nome do terceiro livro. Ficaria com muito mais sentido.

Depois de sobreviver duas vezes à crueldade de uma arena projetada para destruí-la, Katniss acreditava que não precisaria mais de lutar. Mas as regras do jogo mudaram: com a chegada dos rebeldes do lendário Distrito 13, enfim é possível organizar uma resistência. Começou a revolução. 

A EsperançaA coragem de Katniss nos jogos fez nascer a esperança em um país disposto a fazer de tudo para se livrar da opressão. E agora, contra a própria vontade, ela precisa assumir seu lugar como símbolo da causa rebelde. Ela precisa virar o Tordo. 
O sucesso da revolução dependerá de Katniss aceitar ou não essa responsabilidade. Será que vale a pena colocar sua família em risco novamente? Será que as vidas de Peeta e Gale serão os tributos exigidos nessa nova guerra? 
Acompanhe Katniss até o fim do thriller, numa jornada ao lado mais obscuro da alma humana, em uma luta contra a opressão e a favor da esperança.

%d blogueiros gostam disto: